sexta-feira, 11 de julho de 2014

A televisão me deixou inteligente! Muito inteligente demais!

A televisão, as pessoas, os livros, discos, quadrinhos... De tudo tirei proveito e tiro. Dá pra aproveitar a TV, desde que você não seja um telespectador passivo, como quase todos são. Ligam no jornal, por exemplo, e acreditam em tudo. Mas no jornal só tem notícia ruim e mentira. E tudo é transmitido da maneira mais tendenciosa, mais ardilosa. Realmente o melhor é não ver, manter-se fora dessa sujeira. Alguns desenhos animados são quase tudo o que presta na programação. Praticamente é onde se concentra a crítica, onde há exposição de paradigmas, é onde há mais apelo à inteligência. Existe um abismo imenso entre a seriedade de "Os Simpsons" e a de qualquer telejornal brasileiro, por exemplo. Um é sério (no melhor sentido) e brinca expondo argumentos, fala verdades brincando, o outro é canastrão, forja uma imagem de seriedade proclama-se imparcial, necessita afirmar constantemente sua credibilidade, fala mentiras como se fossem verdade, usando ternos alinhados, empostação, expressão facial, corporal, constante auto-promoção... Mas, é tipo assim: Jornal Nacional não é sério, "Bob Esponja" sim. É por aí! Se der pra excluir Globo, Band, SBT, Record e companhia das suas vidas, será um belo avanço!

Mas há coisas boas! Há muito mais verdade nos 'absurdos' de "A Hora da Aventura", há muito melhor argumento e enredo em "American Dad", "The Cleveland Show" ou "Uma Família da Pesada" que em qualquer novelinha. Há incalculavelmente mais coragem e profundidade no tema central de "Futurama" e no seu desenvolvimento, do que em quase todos os programas de cunho antropológico, filosófico. A saber: o tema é a estagnação da humanidade em uma (na melhor das hipóteses) mediocridade cognitiva, psicológica, intelectual, cultural... Faz-se uma projeção da sociedade daqui a 2000 anos, e nessa projeção somos a mesma bela porcaria de sociedade, com as mesmas estruturas de poder, mesmas relações mal desenvolvidas, mesmas questõezinhas morais, mesma falta de profundidade nas questões éticas, os mesmos tipos de indivíduos que tínhamos 2000 anos atrás e somos hoje. Se há algum avanço, tratamos de eliminá-lo!



A veiculação da produção cultural em geral é uma merda! O que é transformador é censurado (não oficialmente, porém ostensivamente)! Minha impressão é de que há uma brecha maior quando se trata de desenhos animados. Faz-se coisas muito boas em cinema, mas precisamos garimpar tanto, que dá até preguiça, e muitas vezes acabamos assistindo algum filminho babaca, até na esperança de sermos surpreendidos!

Vou nem falar da música!!! Os monopólios são extremamente eficientes em inviabilizar uma boa circulação de arte nessa área.

Formar um olhar crítico, aprender a ler uma obra, ler no subtexto, iniciar-se na prática do transe através da arte fica cada vez mais difícil. É tão pouca coisa boa, perdida em um mar de boçalidade, que não ser medíocre já tá me parecendo bastante heroico. Mas há coisas boas, que marcam muito de maneira muito positiva! Me sinto feliz e grato quando me deparo, na TV, com uma obra que me ajuda a expandir a consciência, a sensibilidade.


Ressalto de passagem e aleatoriamente alguns artistas e obras televisíveis que me vem à cabeça agora: os irmãos Wachowski de "Matrix" (uma densa e muito construtiva epistemologia), e do inspirador "V de Vingança", com produção dos irmãos Wachowski, direção de James McTeigue, baseado na série de quadrinhos de Alan Moore; "Uma Garota Diferente", o filme mais gostoso que vi nos últimos anos com aquela atuação irretocável da lindinha Danielle Catanzariti; os produtores e o trio de atores de "As Vantagens de Ser Invisível", especialmente Ezra Miller que podia ser hollywoodiano, mas preferiu ser bom mesmo (em "Precisamos Falar Sobre o Kevin" ele também é demais, e é um ótimo filme!). "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain", com uma revalorização dos sentidos muito envolvente. Fernando Meirelles, que marcou muito com "Cidade de Deus" e "O Jardineiro Fiel", e "Castelo Rá-Tim-Bum" e outras coisas muito boas, "Ensaio Sobre a Cegueira" etc. "O Escafandro e a Borboleta", e alguns filmes bizarros que me surpreenderam na madrugada. Ah! Gosto do "Café Filosófico" e de "Provocações" com Antônio Abujanra.

A televisão é um meio incrível! A elite é que nos deixa muito burros demais, através da TV, das religiões, do sistema educacional etc.

Comentem! Deixem sugestões de filmes, desenhos, músicas... Agradeço!

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Olhos de gente grande

Quando olho pra minha infância e comparo, percebo sobretudo a diferença nas cores. Realmente as cores eram diferentes, aquelas eram outras cores, quase tudo a minha volta tinha um tom bem bonito de terra, e eu ficava fascinado com todos aqueles contrastes novos, que só podia ser obra de um gênio ou do caos, e essa dualidade é que me deixava curioso, me instigava, e me deixava em êxtase contemplativo! Era arte! Podia ficar horas só olhando! Olhando o que? Apenas olhando! Adorava o sol, tudo brilhava com tanta força, e as sombras e luzes e reflexos sobre qualquer cor me causavam forte impressão. Na minha casa sempre houve muita planta, era muito legal ver os raios de luz passando entre folhas. Tudo parecia um sonho. Na área de paredes amarelas, uma palmeira, o tanque de cimento, o piso vermelho, a pele marrom, a camisa azul, a água, e dentro da água luzes e sombras eram quase sólidas.  Parece que naquela época o sol invadia mais e com mais força a nossa casa... Mas, não é a verticalização da cidade, é a minha retina acostumada mesmo, meu olhar cansado. Meus olhos bobos de adulto.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Nota sobre o caso do traficante "Matemático"


clique para aumentar
Ok! A Globo é uma merda.
Concordo com isso e por isso não assisto! Nunca!
Fico sabendo de certas coisas através do Facebook, que aliás, estou tratando de filtrar com mais critério de uma semanas pra cá. Mas, a tempo, essa imagem me chamou a atenção por ter sido muito compartilhada, e sempre seguida de comentários absurdo, carregados de ódio e desprezo à vida.

Mesmo discordando com a mensagem dessa e de outras imagens que foram compartilhadas massivamente exatamente com o mesmo teor equivocado, em uma coisa posso concordar com esse povo. A Globo é mesmo uma merda! Mas falando estritamente desse caso, por que podemos afirmar isso? 

Porque a própria Polícia tá investigando o caso, por iniciativa própria! E a própria Polícia mudou o armamento e a abordagem em situações como essa após esse caso, quando viu o quanto a operação poderia ter sido desastrosa.
A grande mídia aproveita aí pra continuar disseminando a distorção do conceito de "Direitos Humanos" e a desqualificação do Ministério Público. Fazendo o povo crer que esses são amigos de bandido.
Quanto ao caso de Boston... Isso foi um absurdo! Polícia ser elogiada por matar terrorista??? Aliás, dito terrorista!
Um indivíduo realmente perigoso e com envolvimentos relevantes, seria considerado uma joia quando capturado por uma polícia honesta e inteligente (por aí podemos supor que aqueles ditos terroristas não eram tão perigosos e articulados assim, ou que a polícia não é nada inteligente e investigativa). Imagina se você captura alguém de uma organização que você REALMENTE quer combater! Certamente você vai tentar conseguir dele o máximo de informações! Isso é básico! Conhecimento é poder, certo? Do ponto de vista estratégico, matar um inimigo nessas condições é um prejuízo incalculável.

A Globo é uma merda porque faz o jogo dos poderosos! Dos imperialistas, daqueles que só querem concentrar poder e que não simpatizam com o conceito de Direitos Humanos, "valorização da vida", "liberdade individual". A Globo faz o jogo dos que estão tirando poder do Ministério Público, e aproveitam reportagens como essa para fazer com que tanta gente boa passe a defender que bandido bom é bandido morto, pura e simplesmente.

Essas cenas da perseguição e tiros nos remete a imagens excitantes de vídeo-games, são imagens estimulantes, em que o jogador vibra atirando a esmo. Sem economizar munição (que é virtual), mas na vida real cada bala é um risco a ser considerado. Mas a gente vibra vendo os jogadores reais caçando os bandidos, e não pensamos no perigo, na falta de métodos, na falta de estrutura de segurança. Na falta de um pensamento estratégico e tático calcado sim nos Direitos Humanos. Isso não representa deixar um bandido fugir, ou nunca matar, mas no desenvolvimentos de políticas, estratégias, táticas, métodos, e até, pontualmente, escolha de um armamento mais apropriado. Não estavam caçando uma lebre no deserto!

Será que a Globo realmente queria colocar a população contra a Polícia? Se foi, o tiro saiu pela culatra. Mas pense, criança: A Globo não dá ponto sem nó! Ela sabe exatamente como a massa vai reagir. Sempre sabe! A Globo entende a ciência da manipulação como poucos! E a reação que vi por aqui foi massiva e homogênea. O que me causou imediata desconfiança. Será que a Globo (bobinha) deu bola fora e a massa (politizada) reagiu com inteligência? Hum... Estranho!

O que realmente me parece, é que a Globo mais uma vez deliberadamente joga a população contra a militância dos Direitos Humanos, contra o próprio conceito, e contra o Ministério Público. E a Globo mais uma vez teve sucesso, e foi genial em fazer isso, fazendo os tolos crerem que ela pretendia o contrário, fazendo os tolos crerem que ela está do mesmo lado de quem na verdade ela só quer ridicularizar.

Princípio básico de manipulação: Encuque no outro a opinião que for conveniente a você, mas faça isso de forma que pareça que a opinião partiu dele mesmo. Se possível faça com que pareça que a sua opinião é contrária à dele. Como? Use argumentos tolos e disfarçadamente dê de bandeja todas as ferramentas para que ele possa contra-argumentar e chegar à opinião que é verdadeiramente a sua. Se posteriormente você precisar se juntar a ele (na sua própria opinião), faça com que pense que te convenceu. A satisfação de te convencer reforçará mais ainda a nova certeza nele! Será a cereja sobre o bolo!

Quem se posicionou pontualmente (e virtualmente) contra a Globo nesse caso, certamente continuará sendo um fiel telespectador, porque está em sintonia com ela! Nesse caso especificamente, a Globo se colocou no mesmo pacote dos "Direitos Humanos" e do MP, mas quem sai queimado? Quem sai queimado? Amanhã a Globo seguirá com sua programação sedutora e recuperará instantaneamente a sua absoluta simpatia. Sua fidelidade. Você vai continuar assistindo seu futebol, seguido do jornalismo ou entretenimento desprovido de bom gosto e boas intenções. Quanto a Polícia: essa saiu bastante fortalecida! Tem dúvida? Dê uma olhada no Facebook!

Um povo que ama o braço forte do opressor, é o que querem conquistar mais e mais! Spray de pimenta na cara de manifestante é refresco pra quem tá confortável no sofá. E o errado é sempre o manifestante! Afinal, devia estar em casa ou no trabalho! Nunca questionar! Nunca lutar! Em épocas de mudanças tão desastrosas para a sociedade, nesse momento em que a especulação imobiliária e outras frentes do capitalismo selvagem tem usado tanto a força policial, é importante que quem questione seja ridicularizado, e que tenhamos a Polícia como algo incontestável, até divino (analisem o caso da novela "Salve Jorge": uma mitificação deslavada da imagem dos militares em geral)! E vão me dizer que a Globo é contra a Polícia?

Vejam quantos compartilhamentos a favor da operação, que na verdade nem são a favor da operação, mas contra o questionamento, e reflitam!
A Globo e a publicidade em geral está 200 anos a frente da nossa psicologia.
Fica aqui o meu elogio a alguns membros da Polícia Civil, por analisarem cautelosamente essa operação e aprenderem com ela. Ao Ministério Público e à Comissão de Direitos Humanos da ALERJ por cobrar essa revisão no caso. Analisar, pensar, rever essa ação só pode ser bom! É bom pra sociedade, é bom pro policial bem intencionado, e a coisa pode continuar complicada pro bandido, mas sem um risco desnecessário para a população local. A truculência nunca resolveu.

E pra Rede Globo fica meu eterno repúdio, extensivo às "opiniões" homogênicas de seus telespectadores (fiéis ou em potencial)!

quinta-feira, 25 de abril de 2013

É falta de educação tacar ovo em genocida?

É uma pergunta mesmo! Porque eu estava pensando:
Como lutar contra um poder quase absoluto?

Com armas? Eles tem todas, e tem as fábricas, e tem o direito de usá-las! O monopólio total da força!

Com ideias? Eles não abrem o diálogo. A mídia é deles. E pra que abririam o diálogo afinal? Não querem ideias, querem poder. Discutir ideias é ceder poder, é democrático. Isso não interessa ao ditador!

O que fazer??? Panelaço? Marchas? A mídia não cobre! Esquece! E se cobrir, vai ser um tiro no nosso pé! Vai pegar mal! Vão convencer a massa de que somos "vagabundos", "maconheiros", "baderneiros", jamais militantes pela liberdade! Pelos direitos humanos. A própria "direitos humanos" é ridicularizada o tempo todo pela mídia da ditadura. A massa não vai se juntar a pessoas tão desqualificadas que defendem uma ideia vaga e ridícula.

E se fizermos isso no local e no momento em que algum arautos da ditadura estiver defendendo contra a nossa liberdade individual, por exemplo? Também não dá! Porque com todo esse poder, além de comandar as forças armadas, eles formaram um exército informal, graças ao terrorismo ideológico, ou promessa de paz e conforto! Basta que o arauto faça cara de oprimido em alguma foto e está tudo resolvido. E para os verdadeiros oprimidos, para nós, foi só mais um tiro no pé.

Monopolizam inclusive a ideia de divindade, ou da espiritualidade, ou da bondade. Ligando sua imagem à de um deus único, ou à de um deus maior, como sempre fizeram em todos os impérios. Transformaram a maioria de nós em soldados que só tem em mente defender os ditadores. Afinal, foram convencidos de que os ditadores são os representantes do Deus, portanto, sua ligação com a Sabedoria Divina.

Então, o exército da ditadura é convencida de que não precisa pensar, porque passam a ver a ditadura como o seu canal direto com a Sabedoria Universal? Aliás, pensar passa a ser uma afronta ao Divino! Nunca pensar! Nunca perguntar! Sempre repetir a mensagem! Sempre repetir parábolas! Abdicar da razão. Sempre reproduzir a mensagem, sem nunca observar a discrepância entre elas e o bem estar comum. Nunca observar. Ouvir apenas os arautos do ditador ou seus correligionários. Nunca sentar-se à mesa com quem pensa diferente, e se não puder ou não quiser evitar a presença física, basta que mantenham a mente blindadas para ideias diferentes. Blindar-se ou afastar-se de ideias diferentes. Afastar-se sobretudo do pensamento livre. Se todos querem estar bem, conviver bem, tem que agir como os arautos ditam, como os ditadores ditam! Ou eles, com uso da lei, do monopólio da força e da coação por meio da opressora superioridade quantitativa do seu exército, farão de nossas vidas um inferno!

Portanto, nunca tente tacar ovo em algum ditador genocida, por exemplo!
Os representantes da lei vão mandar te prender! Os funcionários do monopólio da força cumprirão a ordem. A mídia vai te ridicularizar! E (o tiro de misericórdia[?]) seus conhecidos e familiares vão dizer que você não tem respeito por ninguém!

terça-feira, 16 de abril de 2013

Senhores e senhoras cristãs...

Senhores e senhoras cristãs!
Como podem esperar que eu siga suas regras
Se vocês vieram do barro e eu de explosões estrelares?

O subsídio da miséria

Essa história de preço alto do tomate e outros frutos rendeu várias piadinhas.
Mas, será que isso é engraçado mesmo?
Você parou pra pensar que a história pode ser muito séria e que a mídia não quer nem desenvolver nem deixar que desenvolvam o assunto (o verdadeiro assunto)?
A saber:
Quando o preço de um produto agrícula fica alto significa que os a grande maioria dos produtores perdeu aquela colheita, ou até mesmo a lavoura inteira, ou pelo menos não está conseguindo colher em quantidade. Isso gera sérias dificuldades financeiras e, a longo prazo, abandono do campo pelo pequeno produtor, que pode vir a ser um novo miserável na cidade, pra aumentar a densidade demográfica da favela, e ser mais um pretenso trabalhador sem nenhuma qualificação que possa servir pra alguma coisa na cidade (a despeito de ser um profissional experiente no campo).
As questões que isso pode levantar estão diretamente ligadas ao Estado. A principal, pra mim, é o subsídio para produtores rurais! Quem produz alimento precisa de incentivo, precisa de medidas econômicas justas para equilibrar a renda. Quem sabe meio salário por hectare produzido? Que seja um terço. Já seria bom! Claro que o cálculo tem que ser mais elaborado que isso, mas é por aí. E haveria um teto, é claro, próximo do piso! O produtor receberia se cumprisse todos os estágios da produção, sempre visando a sustentabilidade, e resguardasse sua respectiva área de proteção ambiental etc.
O governo dá todo tipo de bolsa eleitoreira! Tem uma população carcerária imensa, crescente, e cara! A grande maioria desses presidiários poderiam ser camponeses dignos se o mote do Estado fosse a justiça social.
Além de subsídio, o produtor precisa de informações de qualidade! Visitas regulares de técnicos e engenheiros pagos pelo Estado. Cursos presenciais e à distância.
Mas... será que os donos do Estado querem isso? Será que eles querem que exista pequenos produtores rurais realmente produtivos, capazes de nos nutrir e abastecer (nos tornar abastardos) de todo tipo de coisa que sua terra possa prover? Afinal, em grande quantidade, esses pequenos produtores competem com os grandes fazendeiros, com suas gigantescas fazendas com máquinas de centenas de milhares de dólares e empregados mal pagos pras atividade que exigem braços e pernas e sutilezas humanas. E de que valerá o investimento nas grandes máquinas, grandes galpões, e nos grandes lobbys que lhes pemitiram destruir, com fogo e mais máquinas, imensas florestas com toda a icomensurável vida, infinitamente valiosa vida que havia nela?
Os donos do Estado precisam de muita gente aqui na cidade, disputando as misérias, e pouca gente lá na roça, multiplicando e distribuindo as riquezas.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Chineses, pacas, tijucanos e ursos

Vejo quase diariamente algumas "denúncias" de maus tratos contra animais na China, no Vietnã, na Espanha, no México, na Bósnia, na Cochinchina e em tudo quanto é lugar longe. Ontem me chamou a atenção uma foto de uma mãe ursa na China que matou o próprio filhote e se matou em seguida. O filho passaria pela mesma cirúrgica que a mãe, para ter sua bílis sistematicamente drenada pro resto da vida. A bílis do urso-negro-asiático é usada pela indústria farmacêutica na China, para tratar pacientes com algumas doenças dos olhos e do fígado.

Mas o que mais me assustou nessa história foi a reação das pessoas. Veja alguns comentários:
  • "Que judiação. Essa China é o verdadeiro INFERNO na Terra. São um bando de pragas que deveriam ser eliminados um por um";
  • "Vão pro inferno chineses do capeta.. É essa mania do demônio de fazer mal aos animais... Multilando tubarões, comendo gato e cachorro.. Enfim,fazendo esse tipo de coisa ai.. Desejo q vcs queimem no fogo do umbral e que vcs sofram tudo o q fazem de mal aos animais.. Desgraçados do satanás!!"
  • "PAÍS MALDITO, POPULAÇÃO MALDITA.........QUE MORRAM TODOS."
  • "Bomba atômica nesses vermes!"
  • "SENHOR, não os perdoe, eles sabem o que fazem!";
  • "Odeio essa gentalha!"

Entendi! Então nós, bonzinhos, amamos os animais e odiamos os chineses, né? Mas na própria China existem grupos e pessoas que lutam pela liberdade e dignidade desses ursos, mesmo com toda a forte repressão que há por lá, assim como na Espanha, pessoas lutam pela fim das touradas etc. Acho no mínimo, muito precipitado julgar assim e, ainda que virtualmente, condenar ao extermínio todo um país, aliás, o maior de todos.

Pra esses anti-china é conveniente ignorar que nós também abusamos de animais de maneiras e com finalidades das mais variadas. De cobaias a petiscos. Pra obter com mais facilidade um shampoo que não arde os olhos, pra desenvolver, com menos pesquisa, procedimentos cirúrgicos mais eficientes, pra chegar a fórmulas pra abrir o apetite, pra moderar o apetite, e pras mais sádicas diversões socialmente aceitas... Os chineses, bons ou maus, são exatamente como nós!

Uma vez, quando era criança, vi em uma feira, uma cabeça de porco pendurada na parte mais alta de uma barraca, e todo o corpo mutilado exposto para venda. Fiquei dois dias sem conseguir comer absolutamente nada. Porque isso é normal? E se for um cachorro no lugar do porco, é monstruoso?

No Brasil (deviam lançar uma bomba atômica aqui?) mantemos vacas em condições muito semelhantes às condições daqueles ursos, mas antes disso, retiramos mecanicamente todo o seu leite.

E assim que a vaca não produzir mais o suficiente, ela será descartada, e provavelmente vai virar hambúrguer etc.

Noutro dia, indo para o museu com a minha namorada, passando pela Praça da Bandeira vi um outdoor no Otto, um restaurante conceituado da Tijuca, anunciando que está "Reaberta a temporada de caça no Otto Restaurante".

Como pode? As pessoas não se chocam com isso? Como podem odiar tanto os chineses por comerem carne de cachorro, enquanto achamos que comer carne de javali, paca, jacaré é sofisticado? É chique? Não! Comer carnes consideradas 'exóticas' não é chique. É o máximo, é o absurdo, o cúmulo da futilidade.

É muito mais fácil criticar o que está longe, porque a propaganda e o costume chinês (por exemplo) não nos atingem. Observamos esses atos isoladamente. Mas não conseguimos observar da mesma maneira os nossos próprios atos, porque estamos submersos nos costumes que os fomentam. A mesma coisa acontece por lá e em toda parte.

Enquanto escrevo isso, minha mãe está na cozinha tentando fazer uns pedaços de carne de frango ficarem apetecíveis. É preciso curtir muito no alho e sal pra isso. Porque o cheiro, realmente é repugnante. Mas nós conseguimos superar o cheiro, superar o fato de que aquilo era um animal, era um ser vivente, e agora é um corpo mutilado e queimado. Que após tudo isso, é posto na mesa e chamado infantilmente de "franguinho".

Claro! Achamos isso normal, porque nossos pais e avós achavam não só normal, mas necessário para o desenvolvimento e manutenção da saúde.

Na China, o governo e o sistema fazem suas propagandas, e escondem o que querem esconder, e fomentam o que querem fomentar. Exatamente como aqui, e na Rússia, e em todo lugar. Ainda não somos afetados pelos ideais da indústria e do sistema chinês, como somos, por exemplo totalmente passíveis a qualquer abobrinha estadunidense! Aquele povo que adora vitela, sabe? Vitela!!!

Por que a vitela é mais aceitável do que a bílis do urso?

Nós, brasileiros, abatemos com todo requinte de crueldade, mais de 100.000.000 (cem milhões) de animais por ano. Fora rodeios, vaquejada, rinhas, comércio de filhotes e peixe, passarinhos cantando em gaiolas, sacrifícios religiosos, e todo tipo de iniquidade. Merecemos uma bomba atômica! Se é pra odiar, se é pra exterminar, dê o exemplo? Mate-se! Agora! Vamos? Você primeiro! Depois eu...

Mas se é pra tentar mudar alguma coisa, e eu prefiro essa opção, a mudança deve ser bem mais íntima que uma arma nuclear. Pra pensarmos com um pouco de clareza, é preciso sair dessa zona de conforto chamada "tradição" ou "cultura", que nos permite julgar o estrangeiros de maneira diferenciada, mas nos torna inaptos para analisar com um mínimo de distanciamento os nossos próprios costumes.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Mundo Novo

(Córrego da Coruja - São João do Oriente - MG)

Há muita beleza nesse poeirão e nesse mato seco de agosto!
Desde que as águas venham a tempo, a gente aguenta, feliz! Nas águas gosto de ver os pequenos canais que atravessam o caminho. Molho os pés, me refresco, fico olhando a água que corre deliciosamente fria. A luz refratada, as sombras na superfície ondulada, o cascalho no fundo. O sol tocando meu peito, aquecendo tudo na medida certa. Coisas tão bonitas quando a gente pode parar e olhar bem devagar, e sentir...

À tardinha, com o Sol já escondido por trás das montanhas, a caminho de casa pela estrada de saibro, ando descalço pra sentir melhor o chão. As pedrinhas não me machucam mais. Acariciam e massageiam a sola dos meus pés, sinto o efeito em todo o meu corpo. Com as Havaianas nas mãos vou fluindo pela estrada sob a surpreendente luz da Lua crescente. Conectado assim com a energia da Terra, me sinto em plena alegria e paz.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Por que cargas d'água?

Nem sou de dividir essas pequenas e inusitadas questões súbitas e passageiras aqui no blog ou em qualquer ambiente virtual ou real. Mas hoje fiquei incomodado com uma pergunta que nem sei como nem por que me veio à mente. A saber:

Por que cargas d'água as pessoas dizem "cargas d'água"?

Dei uma pesquisada. Podia ter só perguntado ao meu pai filólogo, mas o Google tem uma vantagem que torna inquestionável a sua primazia nessas demandas: se eu me cansar da explicação, é só eu parar de ler e partir pra outra, ou não.

Nem gostei de nenhuma explicação que encontrei, então vou contar do meu jeito simples e resumido que é assim:

"Carga d'água" (volume/massa de água) pode ser uma tempestade forte, grandes ondas no mar revolto, ou fortes correntezas, e na época em que a expressão surgiu (séc. XVI), admitia-se também, subentendido, em última instância, eventos ligados a monstros dos mares.

Às vezes uns portugas partiam para pescar na ilha da Madeira ou nos Açoures, mas por alguma "carga d'água" chegavam ao litoral da Galiza, do Marrocos, ou até de Guiné Bissau. Com muito mais freqüência se perdiam por ali mesmo e desembarcavam em alguma região de Portugal que nunca foi rota nem destino de navegação nenhuma, uns fins-de-mundo ruins de pesca, sem minérios, sem pimenta, sem nenhuma dessas coisas em que os portugueses se amarravam.

Os portugas locais sem nenhuma auto-estima, ansiosos por explicações, pois sabiam que jamais algum navegador ajuizado chegaria até ali propositalmente, somente por imprevistos climáticos (ou ataques de monstros), perguntavam-se:

"Por que cargas-d'água esses gajos vieram parar aqui?"

Compreendeu? Então tá!

terça-feira, 26 de julho de 2011

Sobre hinos e bandeiras


“A dúvida é o preço da pureza 
E é inútil ter certeza” 

(Humberto Gessinger) 


Até pouquinho tempo eu desejava mudar o mundo. O modo como eu desejava fazer isso se modificava, mas eu sempre quis mudá-lo de alguma forma. 

Quando mais novo, pensava até no uso da força. Tipo: matar uns senadores, sequestrar uns empreiteiros. Normal! Coisa de adolescente. Depois comecei a pensar que as coisas aconteceriam sem revoluções ou, pelo menos, sem essas ações imediatistas. Achei que das conversas de bar, nas ruas, a boa vontade e as boas ideias se multiplicariam e se amadureceriam. Armas eu nunca tive, mas tenho boca, ouvidos e olhos. Observei, li, ouvi, falei. Falei demais! Até cansar! 

O sistema está posto. Não é auto-sustentável, mas tem quem o sustente, a muito custo, à custo da massa condicionada, da saúde dos sistemas ecológicos. As engrenagens não param! 

Alegre e aliviado posso dizer sem orgulho e sem vergonha: Eu desisto! Há alguns meses comecei a adotar e desenvolver uma postura de "egoísmo sustentável". Creio que é preciso manter o foco em si e poupar a si mesmo dos julgamentos precipitados em relação ao próximo e ao pensamento comum. Em regra, todos os julgamentos dessa natureza são precipitados.

Talvez seja preciso analisar, mas que seja uma análise constante, sempre revista, sem objetivo de definir. Definir é limitar. E limitar a concepção dos fatos, reduzindo o universo das possibilidades, da complexidade da vida, da psique oculta por trás do comportamento de alguém, limitar isso ao nosso entendimento das coisas seria arrogância. Ser duro assim com o mundo, com as pessoas, é um autoflagelo, sem qualquer proveito. Sejamos suaves! 

Não dá pra bater de frente. Nesse sistema nós valemos tanto quanto um animal de corte. Talvez menos. Somos descartáveis.

Na busca do bem estar, a única solução saudável que imagino, é me manter à margem. Tentando não ser uma parte ínfima de um exército inconsciente, força motriz dessas engrenagens, tampouco forçando contra, correndo o risco de ser esmagado entre suas rodas dentadas. Quero só estar por fora, na boa! Quero ser um marginal! Feliz, como só é possível ser estando fora dessa roda viva. Podendo observar quando quiser, com distância calculada. 

“seja marginal
 seja herói” 

(Hélio Oiticica) 


Quero ser o marginal que cuida de si, pra ser um homem tranqüilo! Ser bom nas relações... Bom irmão, parceiro, pai, vizinho, amigo... Bem relax! Quero ser o meu leve herói! Sem cantar hinos, nem queimar bandeiras.

Só... 

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Fuga(z)

Vontade de fugir, pra onde não haja você na rotina.
Onde não haja o quartinho de empregada,
O cobertor que a gente usava,
A roupa que você me deu...
Ou qualquer objeto que me assuste com lembranças...
Quero ir pra longe dos lugares por onde passávamos fazendo planos
Quero tirar você da minha pele! Tirar sua mão do meu cabelo!
Seu cheiro das minhas narinas.
Quero agora que meu corpo esqueça
Como é sentir no meu peito o pulsar quente do teu sangue.
Aqui as memórias de ti se impõem!
E ocupam tanto espaço, que nada mais cabe.
Quero estar onde você nunca pisou!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Velha morte

Quero morrer!
E nascer só na semana que vem!
Sinto falta da morte em catarse.
Pode ser questão de idade.
Acho que meu próximo fim será lento.
E pode não estar tão próximo assim. Estou resistente.
Definho, definho... depois me recupero, devagar... bem devagar.
Os venenos que me resolviam... agora só me debilitam.
Fico incapaz até de uma morte digna... que me faça nascer mais leve.
Eu quero! Eu preciso!
Mas me sinto velho e cansado demais... pra morrer.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

A gente só erra quando tem certeza, né?

terça-feira, 14 de junho de 2011

Porra, Santo Antônio!

Eu no meu quarto.
Ouço os sinos que anunciam o início da festividade na Igreja de Santo Antônio.
Quem toca os sinos percebe que dá pra tentar em ritmo de funk.
E fica tentando... por uns 15 minutos.

Uns foguinhos.
Começa a festa! Com um...

... Leilão!
“Trinta reais! Quem dá mais? Quem dá mais?”
“Quarenta reais!”
Leiloeiro bem vil. Jeitão de 171.
...
Quadrilha improvisada e uma ‘animadora’ gritando ao microfone.
Prosódia, timbre, vocabulário vulgar.
Bem 'cachorra'. Estilo Furacão 2000.

As horas passam enquanto cinco músicas se repetem.
Só duplo sentido! Assim, ó:

     Fede pra danar, mas é gostoso
     O bicho é feio, é fedorento, é cabeludo
     Mas na verdade
     Todo mundo acha gostoso

- Vai um gambazinho frito aí?
- Claro que não!

     Na dança do cossaco, não fica cossaco de fora

Beleza! Nesse frio não dá pra ficar cossaco de fora mesmo, né!

E a louca grita o tempo todo pra ‘animar’ a festa.
Fim de festa. Fogos! Sem graça.
Mais uma tentativa de badalar um funk.
Uns 15 minutos de tentativa.
Minha impressão é de que “tá dominado, tá tudo dominado”! 
...
Aaaaah!.. Porra, Santo Antônio!
Isso é muito populismo!
Sai dessa! Que decadência!
Desse jeito, no próximo ano a comemoração será com um baile no Salgueiro!

domingo, 12 de junho de 2011

Dia dos Namorados (carta)

Hoje eu queria ter te acordado com beijinhos no rosto, ver seu sorriso se abrindo antes dos seus olhos... o sorriso maior e mais bonito do mundo: o seu sorriso pra mim de manhã. Te abraçar bem gostoso. Curtir sua manha. Tomar um café devagar... docinho. Ouvir seus planos, suas gracinhas, implicâncias. Te aturar, implicar e te dar carinho. 

Gosto de te olhar, observar seu jeito leve, suas curvas. De pé, se arrumando, caminhando. Linda e gostosa! Meu número! Te dar um cheiro... na testa, no rosto... Ver seus desenhos, conversar, conversar, morder. Te agarrar no corredor e ver sua luta interna, sua fraca resistência. Ser envolvido por esses olhinhos pretos tão espertos. 

Queria... quero sempre, carregar metade das suas dores, carregar pra longe! Com alegria! À noite, quem sabe, dividir um miojo, no chão do quarto, ou na cama. Um prato só. Sentir as energias renovadas pra semana que vai começar. Inspirado, feliz! 

Claro que o clima hoje não é pra isso. A realidade é outra. Outros sentimentos. Outra relação. Mas era bom sentir o que eu sentia... Era bom sentir seu amor! Mas vamos nos ajudando, nos adaptando, nos entendendo, nos distraindo, nos alegrando. 

Hoje eu queria dizer que te amo! Amiga da minha alma! Minha grande parceira! 

Eu te amo! 

Feliz Dia dos Namorados!

Meus sonos...

Meus sonos tem sido perturbadores!
Que pessoa angustiada eu me tornei!
Acordo assustado:
"Que lugar é esse?"
Calma, Marcílio! Você está na Terra!
... Ainda!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Falaê, Darwin!

... Existem os animais quadríps, e os animais bíceps!

(Rodrigão Ferreira)

Calor e doçura

Em busca de mais calor e doçura pra minha vida, estou só ganhando peso!

Namorando

Namoro com o vazio
Ao vazio o amor vai...
E volta
Incrivelmente frio